Home English

Para não morrer na praia

Na situação de oitava economia do mundo, prestes a tomar da Itália a sétima posição, o Brasil parece nadar de braçada quando o assunto é crescimento do Produto Interno Bruto (PIB). Quando se fala em educação, porém, a conversa muda de tom.

De acordo com o último Pisa – o Programa Internacional de Avaliação de Estudantes –, em 2009 o Brasil figurou entre os piores colocados no ranking de conhecimentos em leitura, ciências e matemática. Em leitura e ciências, o país ocupou a 53ª colocação, entre as 65 nações avaliadas. Em matemática, a performance foi ainda pior, com o Brasil caindo para o 57º lugar.

O Pisa é uma avaliação realizada de três em três anos pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) com estudantes de 15 anos de idade. A escolha de tal faixa etária pressupõe a lógica de que aos 15 anos um indivíduo já tenha adquirido a base de conhecimentos mínima necessária para encarar os desafios futuros da vida produtiva – inclusive os desafios de formação.

Os vizinhos do Brasil no Pisa nada têm a ver com os vizinhos do Brasil no ranking do PIB. São nações de parco desenvolvimento econômico, como Montenegro, Quirguistão e Albânia, enquanto a vizinhança do PIB – Canadá, Alemanha, França – ocupa posições mais compatíveis no Pisa. A contradição do caso do Brasil é evidente.

A população brasileira comemorou recentemente a universalização do ensino fundamental, assim como a lei que obriga a frequência de crianças e adolescentes na faixa dos 4 aos 17 anos à escola. Falta, agora, garantir que essa população aprenda. Melhorar a qualidade da educação desponta como condição inexorável para que os esforços do país em direção ao crescimento econômico não morram na praia.

Este relatório é uma publicação do Instituto C&A.
X
Coordenação
Paulo Castro

Edição
Sandra Mara Costa

Compilação de dados
Adriana Fonseca

Textos
Felipe Porciúncula
Luciana Lino

Revisão
Mauro de Barros

Tradução e revisão de língua inglesa
Andrew McDonnell

Criação e montagem
Studio 113

Fotografias
Paulo Leite


Agosto de 2011